Cafezinho 54 - Smart Talk

Jeffrey Pfeffer e Bob Sutton publicaram em 1999 na revista Harvard Business Review,  o artigo The trap of Smart Talk”, que pode ser traduzido como “A armadilha do papo esperto”. Num trecho, eles dizem assim:

“Descobrimos que um tipo muito particular de conversa é um traiçoeiro inibidor da ação nas organizações: o ‘papo esperto’. Os elementos do papo esperto incluem soar pomposamente confiante, articulado e eloquente; ter informações e ideias interessantes e possuir um bom vocabulário. Mas o papo esperto tende a ter outros componentes menos benignos: primeiro, foca no negativo, e segundo, é desnecessariamente complicado ou abstrato (ou ambos). Em outras palavras, as pessoas se apegam ao papo esperto para fazer jorrar críticas e complexidades. Infelizmente, esse tipo de papo tem uma capacidade inquietante de reprimir a ação em seu caminho. É por isso que o chamamos da ‘armadilha do papo esperto."

1999. De lá pra cá vimos o crescimento espetacular da indústria do papo esperto, com especialistas, executivos, consultores, coaches, palestrantes e os tais “empreendedores de palco”. Gente que fala bem, mas fica na retórica. A definição clássica do termo “retórica” é a arte de usar uma linguagem para comunicar de forma eficaz e persuasiva. Isso é bom. Pode inspirar as pessoas a agir! Mas também pode causar destruição, quando é apenas veículo para fórmulas que se dizem infalíveis. Se o papo esperto é recebido sem a preocupação do quando, onde, por que, quais outras técnicas ou soluções estão disponíveis, para serem combinadas ou modificadas para atender a seus interesses, aí temos um problema. A bela retórica só ajuda o dono dela. O dono do papo esperto. Voltarei a esse tema.

________________________________

Para assinar o Cafezinho:

No WhatsApp: bit.ly/querocafezinho

Feed do Cafezinho: http://feed.portalcafebrasil.com.br/tools/cafezinho.xml

Para iTunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/cafezinho-caf%C3%A9-brasil/id1281343582?mt=2

00:0000:00
Share | Download(Loading)