Cara, essa diabólica estratégia implementada ao longo dos últimos 30/40 anos, de separar o país em grupos e colocar uns contra os outros parece que chegou perto do limite. A questão é política, mas já contaminou a cultura e o comportamento. A consequência mais visível e óbvia é o estrago nos relacionamentos, com interrupção de amizades, rompimento entre familiares e coisas absurdas que temos ouvido e vivido. Mas tem mais.

Num final de tarde, ao colocar o computador em modo de suspenção para ir embora, o Windows automaticamente jogou um protetor de tela ao fundo. Era uma foto maravilhosa de um tucano, com cores vibrantes, um enquadramento instigante, aquele bico amarelo tomando quase toda a tela. Maravilhoso! Num monitor de 43 polegadas, foi de tirar o fôlego. Fiquei tão impactado que tirei uma foto do monitor e publiquei nas mídias sociais, dizendo que o Windows tinha me dado um presente. Eu só vi a beleza do tucano. Pronto. E aí começaram a chegar comentários de quem viu o Aécio, de gente fazendo ironia sobre minha preferência política. Afinal, o tucano pertence ao PSDB.

Eu tenho peças de roupa vermelhas. Cada vez que apareço com uma delas, tenho de ouvir piadinhas ou ironias. O vermelho pertence ao PT, à esquerda, e se eu o uso, estou do lado deles.

Usei músicas de Chico Buarque num podcast. E chegaram comentários do tipo “uma pena você estragar o programa com esse simpatizante de ditaduras e amigo de bandidos.”

Cara, você acha que eu vou dar a meus adversários e detratores o gostinho de impedir que eu poste uma foto que gostei, use uma cor que me agrada, ouça uma música que fez a trilha sonora da minha vida? Mas não mesmo! Não deixarei que esses caras sequestrem o belo, patrulhando para que eu meça o mundo pela régua deles. Não mesmo.

Isso já aconteceu na história, e começou da mesma forma. Alguém sequestrou o bem, e decidiu sumir com quem achava que era do mal. O resultado foram morticínios.

Bem, eu comecei este texto dizendo que chegamos perto do limite, não é? Mas por que perto? Porque ainda não começamos a matar em série quem pensa diferente de nós.

O lindo tucano é uma ave maravilhosa. O vermelho é uma cor que inspira, dá energia e motiva. Chico Buarque tem músicas que me enchem os olhos d´água, me inspiram e trazem lembranças que não têm preço.

Reduzir tudo isso à uma questão de simpatia por partidos políticos ou ideologias é ser um verdadeiro trouxa.

É ser um sequestrador do belo.

Pronto. Viu o que você pensou?

A palavra “belo” foi sequestrada por um pagodeiro.

 

Este cafezinho chega a você com apoio do Cafebrasilpremium.com.br, um MLA – Master Life Administration, que ajuda a refinar sua capacidade de julgamento e tomada de decisão. www.cafebrasilpremium.com.br

Share | Download(Loading)