Minority Report é um filme de Steven Spielberg que tem um roteiro interessante: trata de uma organização policial do estado que, através de alguns sensitivos, consegue saber de crimes que ainda não aconteceram. De posse das informações, a equipe policial chega ao local um pouco antes do crime ser cometido, prendendo o futuro criminoso e evitando o roubo, a agressão ou a morte da vítima. É claro que tem tudo pra dar errado, mas a premissa é muito legal: evitar os crimes que vão acontecer. 

Me lembrei do filme nos últimos meses, quando a campanha presidencial estava a mil e mesmo agora, quando o novo governo se prepara para tomar posse. O que eu tenho visto é uma espécie de Minority Report Tropical: Jair Bolsonaro é diariamente acusado dos erros, crimes e bobagens que ainda não cometeu. Não existem fatos concretos, apenas manifestações de intenção ou voos da imaginação: ele vai matar gays, ele vai perseguir mulheres, ele vai impor uma ditadura, ele vai, ele vai...

O Brasil se transformou na República do Futuro do Subjuntivo: quando ele fizer, se ele fizer...

E a mesma horda que quer condenar pelos crimes ainda não executados, defende os crimes comprovados, vividos e testemunhados. Entendeu? Relevam-se os crimes passados e querem punir os crimes futuros. Não sei como se chama isso... Sei que, quando não é simplesmente canalhice, é alguma deformação cognitiva. Mas eu me pego imaginando se essa deformação fosse usada para outros fins que não a manipulação ideológica. Já pensou se a usássemos no trabalho, na educação, na saúde? Antecipando os problemas que poderiam acontecer e tomando imediatamente as providências necessárias?

O Brasil seria um paraíso. Por enquanto só é bobo.

 

Receba este podcast por Whatsapp acessando assinecafezinho.com

Este cafezinho chega a você com apoio do Cafebrasilpremium.com.br, um MLA – Master Life Administration, que ajuda a refinar sua capacidade de julgamento e tomada de decisão. www.cafebrasilpremium.com.br

00:0000:00
Share | Download(Loading)